• Dra. Tatiane Rodrigues

Sou síndico. E agora?

Atualizado: Jun 22



Algumas pessoas ao se candidatarem pensam que ser síndico é apenas ter que cobrar a taxa de condomínio e aplicar multas, não se engane, ser síndico implica em cumprir enumeras obrigações.

Ser síndico não é uma tarefa nada fácil e, para que seja desenvolvida uma boa administração do condomínio, recomenda-se que o mandato seja baseado nos seguintes pilares: ética, transparência, impessoalidade, comunicação, proatividade e formalização.

Dentre todo o objetivo da função, ressalta-se que o síndico em suas ações deve ter a precaução com a segurança, sossego e saúde dos condôminos.

1 Obrigações do síndico


São as principais obrigações do síndico:


  • Convocar assembleia dos condôminos.

  • Representar o condomínio.

  • Dar conhecimento à assembleia da existência de procedimento de interesse do condomínio.

  • Cumprir e fazer cumprir a convenção, regimento interno e o que foi determinado em assembleia.

  • Cuidar da conservação das partes comuns e zelar pela prestação de serviços que interessam ao condomínio.

  • Elaborar o orçamento de receita e despesa de cada ano.

  • Cobrar taxa condominial, bem como as multas que são devidas.

  • Prestar conta à assembleia, anualmente e quando exigido.

  • Realizar o seguro da edificação.


Todas as obrigações citadas acima estão previstas no artigo 1.348 do Código Civil. ⠀

2 Responsabilidade do síndico

Exercer a função de síndico implica em assumir uma grande responsabilidade, já que pode responder civil e penalmente por seus atos.

Falamos em responsabilidade civil quando o síndico em sua ação ou omissão causar algum prejuízo para o condomínio, condômino e até mesmo para um terceiro. Ressalta-se que, ocorrerá tal responsabilidade em caso de má execução das suas funções, que ocorre em caso de abuso de poderes ou não observância das suas obrigações.

Já a responsabilidade criminal acontece quando seus atos caracterizam algum crime ou contravenção penal. Por exemplo, o síndico que desvia o dinheiro do condomínio para si.

Por este motivo é muito importante o síndico saber quais são as suas obrigações e os limites dos seus poderes.

3 Dicas para síndicos*


Dúvidas frequentes:

1) Apenas condômino pode ser síndico? Não, pessoas que não são condôminos também podem, é o que acontece quando é contratado um síndico profissional, por exemplo.

2) Condomínio pode proibir animais? Não, o que pode ser feito é ser impor limites ou regras, por exemplo, o uso de focinheira nas áreas comuns. Ressalta-se que, qualquer limitação deve ser feita levando em conta o perfil dos condôminos e o bom senso.

3) Quem é condômino? É o proprietário do imóvel, portanto, não é condômino o locatário ou qualquer outro morador que não seja o dono do imóvel.


4) Síndico profissional é uma empresa? Não, a figura do síndico deverá sempre ser pessoa física. Porém, nada impede que o mesmo tenha uma empresa.


5) Síndico tem que estar disponível 24 horas? Não, isso é humanamente impossível. É recomendado que seja estabelecido dias e horários para atendimento e haja um canal de comunicação para as causas urgentes, que não possa ser resolvido por outros funcionários.

Escrito por:

Tatiane Rodrigues Coelho

Formada em direito em 2014. Inscrita na OAB/SP nº 358.546. Especialista em Direito Imobiliário. Sócia do escritório Rodrigues e Felix Sociedade de Advogados. Pós-graduada em Direito Imobiliário pós-graduanda do curso de  Advocacia Extrajudicial e cursou MBA em Administração, Gestão e Marketing do Negócio Jurídico. Autora de textos sobre Direito Imobiliário publicado em Revista Especializada, blogs, JusBrasil e outros sites.

Saiba mais sobre a autora aqui.

* no item 4, onde se lê está, leia esta.


Tags: #condomínio #síndico #advogadoimobiliário #direitoimobiliário

0 visualização
Participe da lista VIP
Aprenda sobre seus direito com nosso time de especialistas TOTALMENTE DE GRAÇA!
facebook.png
instagram.png
whatsapp.png

(11) 2775-8172

(11) 9.4523-5361

Avenida Mutinga, 1912, sala 11

Vila Pirituba, São Paulo - SP

CEP 05110-00

© 2020 por Rodrigues & Felix Advogados