top of page
  • Dra. Tatiane Rodrigues

Comprei um lote da loteadora, tenho que fazer escritura?

Atualizado: 6 de mar.


(imagem retirada do site canva)


Sendo o assunto lote, devemos analisar o que diz a Lei 6.766/79, que fala sobre o parcelamento do solo urbano. Neste texto iremos falar de alguns conceitos básicos, falar sobre a escritura e emolumentos do cartório na compra de um lote urbano.


1. O que é loteamento?


Antes de explicarmos o que venha a ser um loteamento, é preciso entender o que é uma gleba e lote. Gleba é a porção de terra que não sofreu modificações para a instalação da infraestrutura básica e que é apta de ser parcelada, portanto, é uma terra crua, que não sofreu alterações para o atendimento das necessidades do ser humano.


Entende-se por infraestrutura básica o escoamento de águas pluviais, iluminação pública, esgoto, abastecimento de água, energia elétrica e vias de circulação, conforme estabelece o artigo 2º, §5º da Lei 6.766/79.


Quando esta gleba recebe tal infraestrutura, passa a ser um lote, de acordo com o artigo 2º §4º da Lei 6.766/79.


Se a gleba além de receber infraestrutura sofre subdivisões, ou seja, é dividida em vários lotes, estamos diante de um loteamento. A figura do loteamento está prevista no artigo 2º §1º da Lei 6.766/79.



2. Comprei diretamente da loteadora, preciso fazer escritura?


O Código Civil, em seu artigo 108, estabelece uma regra que, sendo a compra de um imóvel superior a trinta salários mínimos, é obrigatória a escritura pública.


Porém, o §6º do artigo 26 da 6.766/79 estabelece uma exceção ao que prevê o Código Civil. Independentemente do valor do lote, se o mesmo for adquirido diretamente da loteadora, não é necessário a escritura. Portanto, neste caso, o comprador escolhe se quer ou não fazer a escritura.


2.1 Como faço para registrar o lote em meu nome?


Primeiramente, vale ressaltar que apenas será possível transferir a propriedade se for um loteamento regular (aprovado pelo poder público e registrado no Registro de Imóveis). Para transferir a propriedade basta o comprador procurar o Registro de Imóveis competente e levar os documentos necessários (o contrato, recibo de quitação, guia do ITBI com o comprovante de pagamento e entre outros).


3 Se eu quiser fazer a escritura, tenho desconto?

⠀⠀

Se o comprador quiser, ele pode fazer a escritura, porém, como não é um documento obrigatório, no estado de São Paulo, o tabelião é obrigado a conceder um desconto de 40% nas custas e emolumentos da respectiva escritura, conforme o item 1.6 da Tabela de Custas e Emolumentos.


Nos demais estados é preciso olhar as respectivas tabelas para saber se há a previsão de algum desconto.


3.1 E se o tabelião não me der o desconto?

É dever do tabelião informar a parte que o registro da respectiva compra pode ocorrer sem a escritura, conforme está previsto em lei, como já explicamos. Inclusive, este dever está prescrito no item 1.4, capítulo XIV das NSCGJ do Tribunal de Justiça de São Paulo.


Se mesmo assim o interessado desejar fazer a escritura, o tabelião é obrigado a conceder o desconto que está previsto na tabela. Ou seja, o tabelião não pode escolher se vai dar ou não o desconto. Isto pois, os emolumentos têm natureza de tributo, na modalidade taxa.


Caso não seja dado o desconto, o tabelião cometerá o crime de excesso de exação, que está previsto no artigo 316, §1º do Código Penal.


A parte lesada pode procurar a justiça para que seja devolvido o valor que foi pago a mais, no caso, os 40%. Isto é feito por meio da ação de repetição de indébito e, conforme dispõe o artigo 32, §3º da Lei 10.169/2000 (Lei dos emolumentos do Estado de São Paulo), neste caso, deverá ser devolvido o décuplo da quantia irregularmente cobrada.


Vejamos o seguinte exemplo: João foi fazer a escritura da compra de um lote que adquiriu de uma loteadora, o valor dos emolumentos sem o desconto foi de R$ 3.500,00. Depois de algum tempo João descobriu que o Tabelião deixou de dar os 40% de desconto na sua escritura, procurou a justiça e pediu que fosse devolvido o décuplo dos 40% que foram pagos indevidamente, ou seja, João pediu o valor de R$14.000,00.


- valor dos emolumentos são R$ 3.500,00.

- valor desconto dos 40% corresponde a R$ 1.400,00.

- o tabelião deveria cobrar R$ 2.100,00.

- décuplo dos 40% R$ 14.000,00 (R$ 1.400,00 x 10).


Dúvidas frequentes:


a) Se o Registro de Imóveis exigir a escritura, o que eu posso fazer? Se realmente estiver na hipótese de dispensa da escritura, pode pedir que seja suscitada dúvida.


b) Comprei o lote de um terceiro por meio de uma cessão de contrato, posso fazer o registro sem a necessidade de uma escritura? Se houve a cessão do contrato que foi celebrado entre o loteador e o adquirente, sim. Neste caso, o cessionário terá o mesmo direito que o comprador originário.


c) Ao fazer o registro o Cartório pode exigir CND (Certidão Negativa de Débitos)? O Registrador só pode exigir a CND do pagamento de ITBI, ITCMD e laudêmio. Saiba mais aqui.


d) Qual o prazo para pedir a restituição do valor que foi pago incorretamente? O interessado tem o prazo de 5 anos para entrar com a ação de repetição de indébito, conforme dispõe 168 c/c 165 do Código Tributário Nacional.


e) Se não me deram o desconto, devo processar o cartório? Não! Independentemente de qual seja o processo, sempre deverá ser processado o Tabelião titular, cartório não tem legitimidade.



Fontes:


BRASIL. Legislativo. Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966. Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário apl>. Acesso em: 11 de outubro 20 18. ios. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L5172.htm>. Acesso em: 15 de outubro de 2018.


BRASIL. Legislativo. Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979. Lei parcelamento do solo. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6766.htm>. Acesso em: 11 de outubro de 2018.


BRASIL. Legislativo. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406compilada.htm>. Acesso em: 11 de outubro de 2018.


SÃO PAULO. Lei estadual nº 11.331 de 26 de dezembro de 2002. Dispõe sobre os emolumentos relativos aos atos praticados pelos serviços notariais e de registro, em face das disposições da Lei federal nº 10.169, de 29 de dezembro de 2000. Disponível em: <https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/2002/lei%20n.11.331,%20de%2026.12.2002.htm>. Acesso em: 15 de outubro de 2018.


Colégio Notarial do Brasil. Disponível em <http://www.cnbsp.org.br/index.php?pG=X19leGliZV9ub3RpY2lhcw==&in=MTQ5MjY=&filtro=&Data=>. Acesso em: 10 de outubro de 2018.



 

Se este texto te ajudou, não se esqueça de deixar nos comentários o que achou e de compartilhar com seus amigos e familiares, isso é muito importante para nós!



E se você ficou com alguma dúvida sobre o assunto, pode entrar em contato por meio do e-mail: contato@rodriguesefelix.adv.br, do WhatsApp que está abaixo ou também no meu perfil no Instagram: @tatiane.adv.




* Respondemos mensagens no WhatsApp, e-mail e Instagram em dias úteis durante o horário comercial (das 9h às 17h). Não respondemos dúvidas que são orientações jurídicas ou que dependem da análise do caso sem a contratação de uma consulta.



Escrito por:





Outros textos que podem ser do seu interesse:


コメント


Participe da lista VIP

Aprenda sobre seus direito com nosso time de especialistas TOTALMENTE DE GRAÇA!

Seja bem vindo! 
Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

* Respondemos mensagens no WhatsApp em dias úteis durante o horário comercial (das 8h às 18h).

bottom of page