top of page
  • Dra. Tatiane Rodrigues

Furto ou roubo em imóvel locado. Como fica a responsabilidade pelos danos causados?

Atualizado: 8 de mar.

Quando acontece um furto ou roubo em um imóvel locado surge a dúvida quem será responsável em arcar pelos danos causados no ato criminoso.


A lei do inquilinato (Lei 8.245/91) não trata do assunto de forma específica, por este motivo que quando acontece esta situação começa um jogo de empurra, onde locador e locatário começam travar uma batalha, um querendo responsabilizar o outro pelos danos ocorridos.



1 Locador pode ser responsabilizado pelos danos que o inquilino sofrer?

Se aconteceu um furto ou roubo no imóvel locado o inquilino tiver seus bens subtraídos ou então destruídos é necessário verificar que o contrato de locação estabelece.


Se não existe cláusula que o locador garanta a segurança do imóvel ou então que ele se responsabilize caso ocorram furto ou roubo no imóvel locado, não é possível responsabilizá-lo. Logo, inexistindo qualquer cláusula o inquilino deve arcar com os danos ocorrido.


Vejamos uma jurisprudência que cita isso:

RECURSO INOMINADO. DIREITO CIVIL. LOCAÇÃO RESIDENCIAL. RELAÇÃO DE CONSUMO NÃO CARACTERIZADA. FURTO NO INTERIOR DA RESIDÊNCIA. RESPONSABILIDADE DO LOCADOR. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL E CONTRATUAL. VÍCIO DE INFORMAÇÃO NÃO PROVADO E EM ATRITO COM FATOS PÚBLICOS E NOTÓRIOS. [...] 2. O locador não responde pelo furto no interior do imóvel alugado se não houver disposição contratual expressa nesse sentido. 3. A responsabilidade do locador limita-se ao disposto contratualmente, bem como às disposições trazidas no artigo 22 da Lei n. 8.245/91 ( Lei do Inquilinato), ou seja, no caso concreto, não há base normativa para imputar ao locador a responsabilidade pelo furto. 4. Não há provas de vício de informação, ou seja, que o locador ocultou os riscos da região, valendo acrescer que é público e notório que a região onde encontra-se o imóvel é muito violenta. Aliás, o recorrente se conformou com o julgamento antecipado e não pediu a nulificação da sentença por cerceamento de defesa. 5. Recurso conhecido e não provido. 6. Condeno o recorrente ao pagamento das custas e honorários, cuja exigibilidade ficará suspensa ante a concessão da assistência judiciária. 7. Acórdão lavrado nos termos do artigo 46 da Lei 9.099/95. (TJ-SP - RI: 10015157420178260352 SP 1001515-74.2017.8.26.0352, Relator: Augusto Rachid Reis Bittencourt Silva, Data de Julgamento: 22/06/2020, Turma Recursal Cível e Criminal, Data de Publicação: 22/06/2020)

2 Imóvel foi locado com a mobília e no furto ou roubo houve a subtração ou destruição. O locatário tem que indenizar?

Um dos deveres do locatário é devolver ao final do contrato o imóvel no mesmo estado em que recebeu. Se recebeu com móveis deve devolvê-los no final da locação.


E se houve furto ou roubo no imóvel locado em que houve destruição ou subtração da tais móveis, dependendo da situação o inquilino pode ser isento de indenizar por tais móveis.


Furto ou roubo é visto como situação em que é considerado como fato fortuito, o que afasta a responsabilidade pelo ocorrido, por este motivo que o inquilino fica isento de ter que indenizar pelos móveis que não forem devolvidos ao final da locação em decorrência do furto ou roubo. Vejamos:


LOCAÇÃO. IMÓVEL MOBILIADO. FURTO PRATICADO NO INTERIOR. RESPONSABILIDADE CIVIL. EXCLUSÃO NA AUSÊNCIA DE CULPA DO LOCATÁRIO. CASO FORTUITO OU FORÇA MAIOR. DE ACORDO COM O ART. 23, INC. III DA LEI N.º 8.245, DE 18.10.91, "O LOCATÁRIO É OBRIGADO A RESTITUIR O IMÓVEL, FINDA A LOCAÇÃO, NO ESTADO EM QUE O RECEBEU, SALVO AS DETERIORAÇÕES DECORRENTES DO SEU USO NORMAL". ESSA OBRIGAÇÃO, EM RELAÇÃO AOS MÓVEIS QUE O GUARNECIAM, DEIXARÁ DE SER EXIGIDA, NO CASO DA OCORRÊNCIA DE FURTO DE MÓVEIS DO INTERIOR DO IMÓVEL SEM CULPA DO LOCATÁRIO, CONSOANTE O ART. 1.058 DO CÓDIGO CIVIL, VERBIS: "O DEVEDOR NÃO RESPONDE PELOS PREJUÍZOS RESULTANTES DE CASO FORTUITO, OU FORÇA MAIOR, SE EXPRESSAMENTE NÃO SE HOUVER POR ELES RESPONSABILIZADO, EXCETO NOS CASOS DOS ARTS. 955, 956 E 957. PARÁGRAFO ÚNICO. O CASO FORTUITO, OU DE FORÇA MAIOR, VERIFICA-SE NO FATO NECESSÁRIO, CUJOS EFEITOS NÃO ERA POSSÍVEL EVITAR, OU IMPEDIR." 2. O REQUISITO OBJETIVO DA FORÇA MAIOR OU DO CASO FORTUITO CONFIGURA-SE NA INEVITABILIDADE DO ACONTECIMENTO, E O SUBJETIVO, NA AUSÊNCIA DE CULPA NA PRODUÇÃO DO EVENTO. ASSIM SENDO, O LOCATÁRIO, QUE NÃO AGIU COM CULPA PARA A PRODUÇÃO DO EVENTO, NÃO PODERÁ SER RESPONSABILIZADO A INDENIZAR O LOCADOR PELO FURTO DE MÓVEIS DO INTERIOR DO IMÓVEL LOCADO, MESMO QUE PRATICADO DURANTE A VIGÊNCIA DO CONTRATO DE LOCAÇÃO. 3. ESTÁ CONSAGRADO EM NOSSO DIREITO O PRINCÍPIO DA EXONERAÇÃO DO DEVEDOR PELA IMPOSSIBILIDADE DE CUMPRIR A OBRIGAÇÃO SEM CULPA SUA. O CREDOR, ASSIM, NÃO TERÁ QUALQUER DIREITO A INDENIZAÇÃO PELOS PREJUÍZOS DECORRENTES DE FORÇA MAIOR OU DE CASO FORTUITO. 4. O FURTO PRATICADO NO INTERIOR DE RESIDÊNCIA NÃO DEIXA DE SER UM CASO FORTUITO, PORQUE É UM FATO IMPREVISÍVEL QUE SE ENCONTRA DESLIGADO DA VONTADE DA VÍTIMA DA SUBTRAÇÃO. (TJ-DF - ACJ: 84199 DF, Relator: ROBERVAL CASEMIRO BELINATI, Data de Julgamento: 10/08/1999, Primeira Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais do D.F., Data de Publicação: DJU 20/09/1999 Pág. : 28).

Essa responsabilidade pode ser alterada caso haja no contrato cláusula que estabeleça que o inquilino se responsabilizará em caso fortuito ou força maior em relação a mobília. E mesmo que não haja a cláusula, caso o inquilino haja de forma negligente, imprudente ou imperícia, deverá indenizar o locador.


3 E em relação aos danos ao imóvel, quem deve arcar?

Se no ato criminoso o imóvel sofreu danos, por exemplo, uma porta ou janela foi arrombada e precisa de reparos, é de responsabilidade do locador tal reparo. É de responsabilidade do locador.


É de responsabilidade do locador já que o furto ou roubo é considerado fato fortuito. Salvo se o locatário agiu com imperícia, negligência ou imprudência, neste caso, será o inquilino responsável pelos danos.


Por exemplo, se o inquilino é negligente e deixa o portão aberto, o que facilitou a entrada do bandido no imóvel, deverá o locatário arcar com os danos que foram causados ao imóvel.


 

Se este texto te ajudou, não se esqueça de deixar nos comentários o que achou e de compartilhar com seus amigos e familiares, isso é muito importante para nós!


E se você ficou com alguma dúvida sobre o texto pode entrar em contato por meio do e-mail: contato@rodriguesefelix.adv.br, do WhatsApp que está abaixo ou também no meu perfil no Instagram: @tatiane.adv ou no perfl do escritório @rodriguesefelix



* Respondemos mensagens no WhatsApp, e-mail e Instagram em dias úteis durante o horário comercial (das 9h às 17h). Não respondemos dúvidas que são orientações jurídicas ou que dependem da análise do caso sem a contratação de uma consulta.



Escrito por:

Outros textos que podem ser do seu interesse:


Comments


Participe da lista VIP

Aprenda sobre seus direito com nosso time de especialistas TOTALMENTE DE GRAÇA!

Seja bem vindo! 
Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

* Respondemos mensagens no WhatsApp em dias úteis durante o horário comercial (das 8h às 18h).

bottom of page