top of page
  • Dra. Tatiane Rodrigues

Posso vender imóvel alugado?

Atualizado: 12 de abr. de 2023

É comum que durante o contrato de locação o proprietário resolva vender o imóvel. E no momento o locador se pergunta: posso vender imóvel alugado?


E do outro lado da história, o inquilino também tem dúvidas se o imóvel que ele alugou pode ser vendido e, bem como, quais são os seus direitos.


Vejamos a seguir se é possível vender o imóvel enquanto a locação estiver vigente.


(imagem retirado site canva)


1 O imóvel alugado pode ser vendido?

Sim, o imóvel alugado pode ser vendido. Na lei não existe nenhuma proibição no tocante a venda de imóvel durante o contrato de locação, o que existe são procedimentos e direitos que devem ser observados.



2. Preciso dar preferência ao inquilino?

Sim. A lei do inquilinato (Lei 8.245/91) estabelece que, ao negociar o imóvel deve ser dada a preferência ao imóvel, enviando ao inquilino a comunicação da negociação, vejamos o que diz a lei:

Art. 27. No caso de venda, promessa de venda, cessão ou promessa de cessão de direitos ou dação em pagamento, o locatário tem preferência para adquirir o imóvel locado, em igualdade de condições com terceiros, devendo o locador dar - lhe conhecimento do negócio mediante notificação judicial, extrajudicial ou outro meio de ciência inequívoca.
Parágrafo único. A comunicação deverá conter todas as condições do negócio e, em especial, o preço, a forma de pagamento, a existência de ônus reais, bem como o local e horário em que pode ser examinada a documentação pertinente.

Mas atenção, não é todo tipo de negociação que deve ser dada a preferência ao inquilino. O art. 32 da lei do inquilinato traz um rol que afasta a preferência do inquilino:


Art. 32. O direito de preferência não alcança os casos de perda da propriedade ou venda por decisão judicial, permuta, doação, integralização de capital, cisão, fusão e incorporação.
Parágrafo único. Nos contratos firmados a partir de 1o de outubro de 2001, o direito de preferência de que trata este artigo não alcançará também os casos de constituição da propriedade fiduciária e de perda da propriedade ou venda por quaisquer formas de realização de garantia, inclusive mediante leilão extrajudicial, devendo essa condição constar expressamente em cláusula contratual específica, destacando-se das demais por sua apresentação gráfica.

2.1 Qual o prazo para o inquilino dizer se tem interesse ou não?

A lei fala que o inquilino tem o prazo de 30 dias para manifestar o seu interesse. Se passar o prazo e não houver nenhum tipo de manifestação, o inquilino perde o direito de preferência e o negócio pode ser feito com terceiros.


2.2 O que acontece se não observado o direito de preferência do inquilino?

Se o locador não observar o direito de preferência, conforme o art. 33 da lei do inquilinato, surge os seguintes direitos para o inquilino:


  • Poderá pleitear perdas e danos.


  • Ou, se o contrato de locação foi averbado na matrícula do imóvel um mês antes do negócio, pode haver para si o imóvel, devendo depositar o preço e demais despesas da transferência do imóvel se for solicitado isso em até 6 meses que o negócio foi registrado na matrícula.


3. Depois que o imóvel é vendido, o inquilino pode continuar morando no imóvel?

Depende, para isso deve ser observado as cláusulas contratuais e se o contrato está ou não averbado na matrícula do imóvel.


  • Opção 1 - o inquilino tem o direito de ficar em casa: se o contrato estiver valendo um prazo determinado de duração, se conter cláusula de vigência e se estiver averbado na matrícula do imóvel.


  • Opção 2 - o inquilino tem o direito de ficar em casa: se o contrato estiver valendo por um prazo determinado, mas se não tiver a cláusula de vigência ou se não estiver averbado na matrícula, o comprador não pede a desocupação em até 90 dias após o registro do negócio na matrícula.


  • Opção 3 - o inquilino não tem direito de ficar em casa: se o contrato estiver valendo por um prazo determinado, mas se não tiver a cláusula de vigência ou se não estiver averbado na matrícula, o comprador pede a desocupação em até 90 dias após o registro do negócio na matrícula.


Portanto, o que temos é se o contrato não tiver a cláusula de vigência ou, se não estiver averbado na matrícula do imóvel, fica a cargo do comprador a decisão se o contrato de locação irá continuar ou não.


No caso do comprador não tenha interesse, ele tem que notificar o inquilino para que desocupe o imóvel, no mínimo em 90 dias. Não pode ser dado prazo menor de 90 dias, já que é prazo previsto na lei, vejamos:


Art. 8º Se o imóvel for alienado durante a locação, o adquirente poderá denunciar o contrato, com o prazo de noventa dias para a desocupação, salvo se a locação for por tempo determinado e o contrato contiver cláusula de vigência em caso de alienação e estiver averbado junto à matrícula do imóvel. (Grifo nosso).

Atenção, quem deve pedir a desocupação e o comprador do imóvel, não pode o locador pedir a desocupação durante a vigência do contrato.


 

Se este texto te ajudou, não se esqueça de deixar nos comentários o que achou e de compartilhar com seus amigos e familiares, isso é muito importante para nós!


E se você ficou com alguma dúvida sobre o texto, pode entrar em contato por meio do e-mail: contato@rodriguesefelix.adv.br, do WhatsApp que está abaixo ou também no meu perfil no Instagram: @tatiane.adv ou no perfil do escritório@rodriguesefelix

* Respondemos mensagens no WhatsApp e e-mails em dias úteis durante o horário comercial (das 8h às 18h).


Escrito por:

Outros textos que podem ser do seu interesse:

Participe da lista VIP

Aprenda sobre seus direito com nosso time de especialistas TOTALMENTE DE GRAÇA!

Seja bem vindo! 
Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

* Respondemos mensagens no WhatsApp em dias úteis durante o horário comercial (das 8h às 18h).

bottom of page