top of page
  • Dra. Tatiane Rodrigues

Pai pode vender seu imóvel para o filho?

Atualizado: 7 de mar.

imagem retirada do site canva)


Imaginemos a situação em que o pai tem um imóvel e quer vender para o seu filho. Será que é possível fazer isso? E se ele tiver outros filhos, mesmo assim poderá ser feita a venda do imóvel?


Já adiantamos que é possível o pai vender o seu imóvel para o filho, porém deve ficar atento aos detalhes que a lei exige.



1 Da permissão do pai vender seu imóvel para o filho


A lei não proíbe a venda de imóvel entre pai e filho. Porém, para evitar que seja feita uma doação disfarçada de compra e venda, a lei exige que tenha o consentimento dos demais filhos e da sua cônjuge.


O artigo 496 do Código Civil estabelece que, se não houver o consentimento dos demais descendentes e cônjuge, a compra de imóvel feito entre o pai e filho pode ser anulada. A única assinatura que pode ser dispensada é a da cônjuge, se o regime de casamento for o da separação obrigatória.


Ressaltamos que, o consentimento deve ser expresso, ou seja, deve ser feito por escrito. Assim, pode constar a assinatura no contrato particular e na escritura ou em documento apartado.


2 Isso se aplica apenas para venda entre pai e filho?


Não, a lei fala que deve haver o consentimento nas vendas feitas de ascendente para descendente. Logo, se aplica também nos casos, por exemplo, de um avô que vendeu o seu imóvel para o neto.


3 O que acontece se não tiver o consentimento?

Se a compra e venda é feita sem a anuência dos descendentes e cônjuge do vendedor, poderá o negócio ser anulado. Portanto, pode ser discutido judicialmente a compra e venda se houve prejuízo.


A lei exige o consentimento para evitar uma fraude. Para que seja afastada a possibilidade de uma venda simulada, mascarando uma doação e alterando a igualdade de direitos hereditários.


Para anular o negócio não basta apenas alegar que não houve o consentimento, é necessário observar os seguintes elementos:


a) Deve a venda ter sido feito por ascendente para descendente;

b) Não existir o consentimento dos demais descendentes;

c) Que seja uma simulação de doação;

d) Conseguir demonstrar que tiveram prejuízo por conta do negócio.


3.1 Qual o prazo para se anular a venda de ascendente para descendente?

Não pense que existe a vida toda para questionar a venda feita de pai para filho. Existe um prazo para discutir, é o que é chamado de prazo decadencial.


O prazo para pedir a anulação do negócio é de 2 anos, a contar da data da conclusão do negócio, de acordo com art. 179 do Código Civil.


 

Se este texto te ajudou, não se esqueça de deixar nos comentários o que achou e de compartilhar com seus amigos, isso é muito importante para nós!

E se você ficou com alguma dúvida sobre o assunto, pode entrar em contato por meio do e-mail: contato@rodriguesefelix.adv.br, do WhatsApp que está abaixo ou também no meu perfil no Instagram: @tatiane.adv.


* Respondemos mensagens no WhatsApp, e-mail e Instagram em dias úteis durante o horário comercial (das 9h às 17h). Não respondemos dúvidas que são orientações jurídicas ou que dependem da análise do caso sem a contratação de uma consulta.


Escrito por:


Outros textos que podem ser do seu interesse:



Comentários


Participe da lista VIP

Aprenda sobre seus direito com nosso time de especialistas TOTALMENTE DE GRAÇA!

Seja bem vindo! 
Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

* Respondemos mensagens no WhatsApp em dias úteis durante o horário comercial (das 8h às 18h).

bottom of page