top of page
  • Dra. Tatiane Rodrigues

Posso perder o imóvel que comprei?

Atualizado: 7 de mar.


(imagem retirada do site canva)


Imaginemos a seguinte situação: Davi comprou um imóvel, fez a escritura e registrou em seu nome. No momento da compra, Davi não investigou a vida do vendedor, principalmente sobre as dívidas. Tempo depois da compra Davi recebeu a notícia que perdeu o seu imóvel por não ter tomado os cuidados necessários, já que no momento da venda o vendedor possuía diversas dívidas.


Parece que isso é uma situação que é impossível de acontecer, mas a verdade é que se não toma os cuidados necessários pode ocorrer do adquirente perder o imóvel.


O comprador pode perder o imóvel se na venda ocorrer a fraude à execução ou a fraude contra credores.


1 Fraude à execução

Fraude à execução é o ato do devedor lesar o credor e a atividade jurisdicional, já que existe ação de execução em andamento e o devedor se desfaz do seu patrimônio.


O Código de Processo Civil no artigo 792 prevê o seguinte:

Art. 792. A alienação ou a oneração de bem é considerada fraude à execução:
I - quando sobre o bem pender ação fundada em direito real ou com pretensão reipersecutória, desde que a pendência do processo tenha sido averbada no respectivo registro público, se houver;
II - quando tiver sido averbada, no registro do bem, a pendência do processo de execução, na forma do art. 828 ;
III - quando tiver sido averbado, no registro do bem, hipoteca judiciária ou outro ato de constrição judicial originário do processo onde foi arguida a fraude;
IV - quando, ao tempo da alienação ou da oneração, tramitava contra o devedor ação capaz de reduzi-lo à insolvência;
V - nos demais casos expressos em lei. [...]

A forma que foi apresentada na lei está de acordo com o previsto na Súmula 375 do STJ, assim a fraude à execução ocorre em duas situações: a primeira circunstância é quando existe na matrícula do imóvel alguma averbação relacionada ao processo ou sobre a penhora que recai sobre o imóvel e mesmo assim o bem é vendido. Já a segunda hipótese é quando existe má-fé do comprador.


A dúvida que surge é a seguinte: deve o credor provar que o adquirente agiu de má-fé ou que o comprador tem que provar que agiu de boa-fé? A confusão surge em decorrência do inciso IV do artigo 792 do CPC que fala que é fraude à execução se no momento que ocorreu a venda existia uma ação capaz de tornar insolvente o devedor.


Como ainda não é um ponto que foi pacificado, existem decisões dizendo que cabe ao credor provar e outras que afirmam que o adquirente é quem deve provar que agiu de boa-fé, apresentando as certidões que foram emitidas no momento da compra.


Deste modo, por cautela é recomendado que o comprador peça todas as certidões sobre o vendedor e guarde as certidões analisadas.


Se o juiz reconhecer que houve a fraude à execução, o comprador perde o imóvel.


2 Fraude contra credores

A fraude contra credores também é uma forma de prejudicar o credor. Consiste no devedor, que está insolvente ou na iminência de ser insolvente, liquidar o seu patrimônio com a intenção de não responder por suas dívidas.


Vejamos o que diz a jurisprudência:

AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL. FRAUDE CONTRA CREDORES. COMPROVAÇÃO. PREENCHIMENTO DOS REQUISITOS EXIGIDOS. AGRAVO PARCIALMENTE PROVIDO.
1. A ocorrência de fraude contra credores demanda a anterioridade do crédito, a comprovação de prejuízo ao credor (eventus damni), que o ato jurídico praticado tenha levado o devedor à insolvência e o conhecimento, pelo terceiro adquirente, do estado de insolvência do devedor (scientia fraudis).
2. Agravo interno parcialmente provido. (SQJ - AgInt no REsp: 1294462 GO 2011/0109650-3, Relator: Ministro Lázaro Guimarães, Data de Julgamento: 20/03/2018, Quarta Turma, Data de Publicação: 25/04/2018)

Se o juiz entender que houve a fraude contra credores a compra do imóvel será considerada anulável e o comprador perde o imóvel.


3 Conclusão

Se na hora da compra o comprador não for cauteloso na análise dos documentos do vendedor, pode acontecer de perder o imóvel que comprou. Por este motivo não é recomendável analisar somente a matrícula do imóvel é importante pedir todas as certidões referente ao devedor e guardar junto com os documentos do imóvel.


Fontes:

BRASIL. Legislativo. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCivil_03/leis/2002/L10406.htm>. Acesso em: 23 de julho de 2020.

BRASIL. Legislativo. Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm>. Acesso em: 23 de julho de 2020.


 

Se este texto te ajudou, não se esqueça de deixar nos comentários o que achou e de compartilhar com seus amigos, isso é muito importante para nós!


E se você ficou com alguma dúvida sobre o assunto, pode entrar em contato por meio do e-mail: contato@rodriguesefelix.adv.br, do WhatsApp que está abaixo ou também no meu perfil no Instagram: @tatiane.adv.


* Respondemos mensagens no WhatsApp, e-mail e Instagram em dias úteis durante o horário comercial (das 9h às 17h). Não respondemos dúvidas que são orientações jurídicas ou que dependem da análise do caso sem a contratação de uma consulta.


Escrito por:



Outros textos que podem ser do seu interesse:

Comments


Participe da lista VIP

Aprenda sobre seus direito com nosso time de especialistas TOTALMENTE DE GRAÇA!

Seja bem vindo! 
Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

* Respondemos mensagens no WhatsApp em dias úteis durante o horário comercial (das 8h às 18h).

bottom of page