top of page
  • Dra. Adriane Felix

No divórcio ficou estipulado a venda do imóvel, mas até agora não foi vendido. O que fazer?

Em alguns divórcios é comum que seja determinado que seja feita a venda do imóvel. Mas e se no fim a venda do imóvel ficar só no papel e não acontecer na prática, o que pode ser feito?



Ninguém é obrigado a compartilhar a propriedade de um imóvel com outra pessoa, muito menos com o seu ex ou sua ex.


Neste caso, se a venda não é realizada como foi determinado no divórcio, principalmente se outra parte está fazendo de tudo para atrapalhar a venda deverá parte interessada na venda procurar um advogado ou defensor público e dar entrada na ação de extinção de condomínio, caso o bem não possa ser dividido.


Com esse processo, o bem será vendido via judicial. O que significa que, o imóvel será vendido por meio de um leilão e o valor que arrecado no leilão será dividido entre os proprietários, de acordo com a sua parte da propriedade.


Apesar de ser uma situação que envolve o divórcio, como envolve a questão patrimonial, não é o mesmo juiz que decidiu sobre o divórcio que irá cuidar da venda do imóvel. Vejamos algumas decisões que falam sobre a ação de extinção de condomínio:


 CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. Ação de cumprimento de sentença. Pretensão de desocupação do imóvel pela ex-consorte. Distribuição livre à Vara Cível. Autos remetidos à Vara de Família e Sucessões. Impossibilidade. A homologação de divórcio, com a partilha de bens, encerra a competência da Vara Especializada. Posteriores demandas de cunho obrigacional serão de competência do Juízo Cível. Matéria não afeta à competência absoluta das Varas de Família e Sucessões. Inteligência do art. 37 do Código Judiciário do Estado de São Paulo. Precedentes. CONFLITO PROCEDENTE. COMPETÊNCIA DO JUÍZOSUSCITADO. (TJSP; Conflito de competência0031855-70.2018.8.26.0000; Relator (a): Sulaiman Miguel; Órgão Julgador: Câmara Especial; Foro de Sorocaba - 3ª. Vara de Família e Sucessões; Data do Julgamento: 03/09/2018; Data de Registro:04/09/2018) (G.N.)
 EXTINÇÃO DE CONDOMÍNIO. SEPARAÇÃO JUDICIAL.PRÉVIA PARTILHA. ALIENAÇÃO. A separação judicial estabeleceu condomínio das partes em relação ao imóvel. Ao condômino, é lícito exigir a divisão da coisa comum, sendo a extinção de condomínio a medida processual cabível. Não havendo entendimento entre as partes, a alienação judicial do imóvel é medida que se impõe com a procedência do pedido de extinção de condomínio, nos termos do art. 1.320e 1322, ambos do Código Civil. A autora tem interesse processual em propor ação autônoma de extinção do condomínio. Não se cuida de cumprimento da sentença homologatória do acordo em separação judicial, exaurido com a partilha do bem. A pretensão à extinção dá propriedade comum exige ação autônoma. Recurso provi dopara, afastada a extinção do processo, julgar procedente o pedido inicial e admitir a alienação judicial dos do imóvel em questão. (TJSP; Apelação Cível0063673-38.2008.8.26.0114; Relator (a): Carlos Alberto Garbi; Órgão Julgador: 10ª Câmara de Direito Privado; Foro de Campinas - 9ª. Vara Cível; Data do Julgamento: 16/09/2014; Data de Registro:18/09/2014)
Conflito de competência. Ação de alienação de bem comum. Declinação da competência ao MM. Juízo em que proferida sentença na ação de reconhecimento e dissolução de união estável. Impossibilidade. O reconhecimento e dissolução de união estável, com a posterior partilhados bens e dívidas, encerra a competência da Vara Especializada, na medida em que a relação subsistente possui natureza obrigacional, que deve ser conhecida pelo Juízo Cível. Matéria que não está afeta a competência absoluta das Varas da Família e Sucessões, nos termos do art. 37 do Código Judiciário do Estado de São Paulo. Competência da 3ª Vara Cível de Mogi Guaçu, ora suscitante. Conflito procedente. (TJSP; Conflito de competência 0013188-36.2018.8.26.0000; Relator (a): LidiaConceição; Órgão Julgador: Câmara Especial; Foro de Mogi Guaçu - 3ªV.CÍVEL; Data do Julgamento: 30/07/2018; Data de Registro:08/08/2018) (G.N.)

 

Se você ficou com alguma dúvida sobre o que está escrito no texto, pode entrar em contato por meio do e-mail: contato@rodriguesefelix.adv.br, do WhatsApp que está abaixo ou também no perfil do escritório @rodriguesefelix. Se a sua dúvida é em razão de estar por estar passando por essa situação e quer saber como agir ou quais são os seus direitos, procure um advogado de sua confiança para contratar uma consulta para que seja analisado o seu caso e prestada a orientação jurídica de como agir.



Escrito por:


Outros textos que podem ser do seu interesse:



コメント


Participe da lista VIP

Aprenda sobre seus direito com nosso time de especialistas TOTALMENTE DE GRAÇA!

Seja bem vindo! 
Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

* Respondemos mensagens no WhatsApp em dias úteis durante o horário comercial (das 8h às 18h).

bottom of page