top of page
  • Dra. Adriane Felix

ITCMD sobre o valor venal de referência

Atualizado: 7 de mar.



1. O que é ITCMD ?

A sigla ITCMD significa: Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação, e é um imposto de competência dos Estados e do Distrito Federal, conforme prevê o art. 155, inciso I da Constituição Federal.


O imposto deve ser pago quando há transmissão intervivos, ou seja, quando há a realização de uma doação de bens ou direitos, ou quando esta transmissão ocorre após a morte (Causa Mortis).


No mais as alíquotas, referem-se ao valor venal e podem variar de acordo com o Estado, aqui em São Paulo, por exemplo, a alíquota é de 4% (quatro por cento).

2. ITCMD sobre o valor venal de referência

O ITCMD, cuja competência é dos Estados, tem como base de cálculo o valor venal do bem ou direito a ser transmitido, conforme prevê o art. 38 do Código Tributário Nacional, ainda nesta premissa aqui em São Paulo, o art. 9º, §1º da Lei nº 10.705/00 prevê ainda que: “considera-se valor venal o valor de mercado do bem ou direito na data da abertura da sucessão ou da realização do ato ou contrato de doação”.


Ainda neste entendimento, o art. 13º da lei mencionada informa ainda que, em casos de imóveis urbanos a base de cálculo não será inferior ao fixado para o lançamento do IPTU, e, para os imóveis rurais, a base de cálculo não será inferior à fixada para lançamento do ITR.


Deste modo, é possível verificar que a lei diz que a base de cálculo do imposto, deve ser o valor de mercado do bem, e, nunca inferior ao valor mencionado no IPTU.

Ainda como forma de regulamentar a Lei nº 10.705/00, foi editado o Decreto nº 46.655/02, que em seu art. 16 enfatiza, vejamos:

“Artigo 16 - O valor da base de cálculo, no caso de bem imóvel ou direito a ele relativo será (Lei 10.705/00, art.13):
I - em se tratando de:
a) urbano, não inferior ao fixado para o lançamento do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana - IPTU;
b) rural, não inferior ao valor total do imóvel declarado pelo contribuinte para o efeito de lançamento do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural - ITR;
II - o valor pago pelo "de cujus" até a data da abertura da sucessão, quando em construção;
III - o valor do crédito existente à data da abertura da sucessão, quando compromissado à venda pelo "de cujus".
Parágrafo único - Em se tratando de imóvel rural, poderão ser adotados os valores médicos da terra-nua e das benfeitorias divulgados pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo ou por outro órgão de reconhecida idoneidade, vigentes à data da ocorrência do fato gerador, quando for constatado que o valor declarado pelo interessado é incompatível com o de mercado.”

Ocorre que, em meados de 2009, entrou em vigor o Decreto 55.002/09, o qual por sua vez altera o disposto no art. 16 do Decreto nº 46.655/02, alterando-se assim, a base de cálculo do ITCMD, consequentemente gerando aumento no tributo, sendo este pelo valor venal de referência.


No entanto, a cobrança com base no valor venal de referência, em que trouxe o Decreto 55.002/99 é inconstitucional, pois, viola o art. 150, inciso I da Constituição Federal e o art. 97, inciso II e IV do CTN, pois a majoração do tributo se deu sem previsão na lei, vejamos o que dispõe os artigos mencionados:


“Art. 150 da CFRB: Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:
I - exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça”
Art. 97 do CTN: Somente a lei pode estabelecer:
I - a instituição de tributos, ou a sua extinção;
(...)
IV - a fixação de alíquota do tributo e da sua base de cálculo, ressalvado o disposto nos artigos 21, 26, 39, 57 e 65".

Deste modo, não deve ser utilizado o valor venal de referência como base de cálculo do ITCMD, pois não há previsão legal para tanto, o que deve ser utilizado é o valor de mercado, ou, o valor utilizado no IPTU.

3. Como fazer para não pagar o ITCMD sobre o valor venal de referência ?

Caso seu ITCMD esteja sendo cobrado sobre o valor venal de referência, primeiramente você deve contratar um advogado de sua confiança, assim, este irá impetrar um Mandado de Segurança solicitando que a base de cálculo do ITCMD seja a prevista em lei, ou seja, o valor venal previsto na base do IPTU ou o valor de mercado do bem (compra), antes do pagamento do imposto.


Agora se você já tiver pagado o imposto, e, percebeu que a base de cálculo utilizada foi a do valor venal de referência (aumentando o valor do imposto), no prazo de 05 (cinco) anos, poderá solicitar a restituição dos valores pagos a mais indevidamente.

 

Se este texto te ajudou, não se esqueça de deixar nos comentários o que achou e de compartilhar com seus amigos, isso é muito importante para nós!

E se você ficou com alguma dúvida sobre o assunto, pode entrar em contato por meio do e-mail: contato@rodriguesefelix.adv.br, do WhatsApp que está logo abaixo ou também no meu perfil no Instagram: @adrianefelixadv.



* Respondemos mensagens no WhatsApp, e-mail e Instagram em dias úteis durante o horário comercial (das 9h às 17h). Não respondemos dúvidas que são orientações jurídicas ou que dependem da análise do caso sem a contratação de uma consulta.


Escrito por:


Outros textos que podem ser do seu interesse:

Comments


Participe da lista VIP

Aprenda sobre seus direito com nosso time de especialistas TOTALMENTE DE GRAÇA!

Seja bem vindo! 
Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

* Respondemos mensagens no WhatsApp em dias úteis durante o horário comercial (das 8h às 18h).

bottom of page