top of page
  • Dra. Adriane Felix

Quando o filho perde direito a pensão alimentícia?

Atualizado: 8 de mar.

Uma dúvida muito comum de quem paga pensão alimentícia é quando o filho perde o direito de recebê-la. Então iremos abordar situações em que o filho poderá perder o direito à pensão alimentícia.


Mas atenção, não é porque você está dentro de algumas das situações abaixo que você pode simplesmente cortar a pensão alimentícia. É necessário entrar com um processo de exoneração de alimentos para que o juiz reconheça que você não precisa mais pagar a pensão.



1 Situações que o filho pode perder o direito de receber a pensão alimentícia

1.1 O filho completou 18 anos, que não está estudando e está trabalhando.

Em regra, a pensão alimentícia é devida até o filho completar 18 anos. Porém, a justiça entende que, se o filho estiver estudando a pensão é devida até 24 anos ou até quando estiver estudando.


Vejamos exemplos do que é considerado estudo para apuração do pagamento da pensão alimentícia:

  • Escola

  • Faculdade

  • Curso técnico

  • Cursinho preparatório para vestibular


Quando o filho completa 18 anos, não está estudando e está trabalhando, a justiça vem entendendo que não existe mais a necessidade de ser paga a pensão alimentícia, já que neste caso se presume que existe a capacidade de prover seu próprio sustento.


1.2 Filho que já tem sua própria família.

Em relação ao casamento ou união estável, deve ser observado o art. 1.708 do Código Civil, que prevê o seguinte:


Art. 1.708. Com o casamento, a união estável ou o concubinato do credor, cessa o dever de prestar alimentos.

Pelo que está disposto na lei, perde o direito de receber pensão alimentícia o filho se casar ou passar viver uma união estável.


Mas novamente, não é porque o filho se casou ou está vivendo em união estável que pode deixar de pagar a pensão alimentícia automaticamente, é necessário entrar com a ação de exoneração de alimentos, o qual será analisado o caso em concreto.


E se o filho for menor de idade e estiver vivendo em união estável? Neste caso, o casamento ou a união estável não é suficiente para presumir que o filho tem condições de se sustentar, então deve ser estudada a situação para verificar se é caso para exoneração ou não. Vejamos uma decisão:


APELAÇÃO CÍVEL – Alimentos – Ação revisional - Sentença de improcedência – Insurgência do alimentante – Pretensão de exoneração do encargo, posto haver a alimentanda, ainda menor (15 anos de idade), iniciado uma união estável e ter um filho recém-nascido – Exoneração descabida, posto inexistirem elementos de que a apelada consiga prover o próprio sustento através do trabalho, sendo a constituição de família insuficiente, por si só, a este fim RECURSO PROVIDO. (TJSP Ap 10009186520198260666, Rel. Rodolfo Pellizari, Data de julgamento 31/10/2019). Grifo nosso.

1.3 Tentativa de homicídio, agressões físicas ou outros atos

O parágrafo único do art. 1.708 do Código Civil estabelece que perde o direito de receber a pensão se for praticado procedimento indigno contra aquele que paga a pensão:


Parágrafo único. Com relação ao credor cessa, também, o direito a alimentos, se tiver procedimento indigno em relação ao devedor.

Mas o que seria procedimento indigno? A lei deixou este conceito bem amplo, então dependerá da análise do juiz sobre o caso em concreto. Mas podemos citar como exemplo:


  • Tentativa de homicídio.

  • Furto.

  • Agressão física.

  • Agressão verbal.


2 Processo de exoneração de alimentos

Não importa se o argumento seja os casos citados acima ou se são outros, a pensão alimentícia nunca deve ser cortada de forma automática. O único jeito certo de interromper o pagamento da pensão alimentícia, é com o processo de exoneração de alimentos.


O que acontece se o pagamento da pensão for suspenso de forma automática? O filho poderá entrar com a execução para cobrar o valor que não foi pago.


O pagamento da pensão alimentícia só pode ser feito após a autorização do juiz.


 

Se você está com algum problema relacionado com pensão alimentícia, é importante que você contrate um advogado especializado de sua confiança para auxiliá-lo da melhor forma possível, para que seus direitos sejam respeitados e que se possa evitar maiores prejuízos.


Você pode entrar em contato nosso escritório por meio do e-mail: contato@rodriguesefelix.adv.br, do WhatsApp também no perfil do instagram do escritório @rodriguesefelix.



* Respondemos mensagens no WhatsApp, e-mail e Instagram em dias úteis durante o horário comercial (das 9h às 17h). Não respondemos dúvidas que são orientações jurídicas ou que dependem da análise do caso sem a contratação de uma consulta.



Escrito por:


Outros textos que podem ser do seu interesse:



Comments


Participe da lista VIP

Aprenda sobre seus direito com nosso time de especialistas TOTALMENTE DE GRAÇA!

Seja bem vindo! 
Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

* Respondemos mensagens no WhatsApp em dias úteis durante o horário comercial (das 8h às 18h).

bottom of page